22 de fev de 2013

Sacrificar o Medo

por Gilberto Silos
"O perfeito amor elimina o medo." (Max Heindel)

Ref.: Mateus, Cap, 6,8 e 9

Todo aquele que aspira avançar no Caminho espiritual deve dispor-se ao auto-sacrifício e ao serviço amoroso. Sacrifício dos interesses pessoais, dos desejos, planos, de tempo, comodidade, saúde, paixões. Pela cabeça de pouca gente passa a idéia de sacrificar o medo.

O medo é um dos maiores obstáculos que o aspirante deve vencer para converter-se em auxiliar invisível consciente. É mister convencer-se de que no Mundo do Desejo nem o fogo, nem algum objeto ou entidade pode atingi-lo de alguma forma. Esse destemor deve ser cultivado aqui no plano físico na condição de auxiliar visível.

Vários tipos de medo podem assaltar o aspirante. Para cada um há uma resposta nos Evangelhos. Essa resposta é sempre a fé, a confiança na ação das leis cósmicas. Os temores mais comuns dizem respeito à pobreza ou necessidade material, às enfermidades, à morte ou acidentes de um modo geral.

1) Medo da necessidade material: Mateus, capítulo 6: "Por isso vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber, nem pelo vosso corpo quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento e o corpo mais do que as vestes? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo vosso Pai Celeste as sustenta. Porventura não valei vós mais do que as aves?"

2) Medo da morte, de acidentes ou de situações perigosas: Mateus, capítulo 8: "Então, entrando ele no barco seus discípulos o seguiram. E eis que sobreveio no mar uma grande tempestade, de sorte que o barco era varrido pelas ondas. Entretanto, Jesus dormia. Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos, pereceremos. Acudiu-lhes Jesus: 'Por que sois tímidos, homens de pouca fé? E, levantando-se repreendeu os ventos e o mar, e fez-se grande bonança.

3) Medo da enfermidade: Mateus, capítulo 9:" Eis que uma mulher que durante 12 anos vinha padecendo de uma hemorragia veio por trás dele e lhe tocou a orla da veste, porque dizia consigo mesma: Se eu apenas lhe tocar a veste, ficarei curada. E Jesus, voltando-se e vendo-a disse: Tem bom ânimo filha, a tua fé te salvou. E desde aquele instante a mulher ficou sã".

Há entretanto, outra espécie de medo, sutil, nem sempre considerado como tal: é a timidez. É o receio de expor-se, o temor da auto-afirmação em público, que leva alguém a ser observado, analisado e criticado.

Para fugir a essa situação, o tímido procurará justificar-se, dizendo que não se exporá publicamente por discrição, por ser retraído. Muita gente capaz e talentosa não permite que sua luz brilhe devido à timidez. Esse sentimento representa falta de confiança em si mesmo, o que é a negação do Deus Interno. A timidez é uma forma de orgulho, de egocentrismo. O tímido, ao invés de concentrar-se no que poderia fazer em benefício dos demais, concentra-se em si mesmo, temendo ser observado e criticado. Omite o bem para preservar-se. Não é amoroso. É medroso.

Uma sugestão para os tímidos é cultivar o amor, o desprendimento. Max Heindel afirmou que só o perfeito amor elimina o medo.