22 de jan de 2015

O Sacramento da Purificação

                                                                                                           por Corinne Heline (*)
A Circuncisão tem um significado completamente diferente daquele associado com o Ritual. Trata-se de uma cerimonia simbolizando a integral subjugação do homem inferior, daí a designação de Ritual da Purificação, ou seja um passo preparatório para o grau superior do Batismo.

Segundo a Lei, toda criança do sexo masculino deve ser circuncidada depois de oito dias do nascimento. Na vida da Santa Criança esse ritual embora em sua forma exterior tivesse sido executado como os demais, processou-se sob a égide de mensageiros angélicos, que durante a cerimonia entoavam hosanas de louvores e exaltação Àquele que veio à Terra como o supremo modelo do homem e que derramava Seu sangue como prova de supremo sacrifício a que teria de submeter-se.

Outro e mais radiante arauto angélico trazia faixas de luz, nas quais encontravam-se escritas as seguintes palavras: "Jesus é o Seu nome,"
Maria que sempre se encontrava perfeitamente tonalizada com o seu abençoado filho, sentia juntamente com Ele toda a agonia física do Ritual e ao mesmo tempo alegrava-se com a homenagem prestada pelos Anjos.

A APRESENTAÇÃO

"E, cumprindo-se os dias da Purificação, segundo a Lei de Moisés. O levaram a Jerusalém, para O apresentarem ao Senhor." (Lucas – 2:22)

Há algo a considerar com referência ao significado esotérico do período de quarenta dias que, em verdade, compreende uma fase de preparação para um trabalho mais elevado e não literalmente um simples e determinado número de dias. A Santa Família levava avante o seu trabalho, assinalado pelos três eventos essenciais: a Circuncisão, a Purificação e a Visita dos Homens Sábios.

Quarenta dias após a Natividade. Maria e José apresentaram-se no Templo de Jerusalém para a cerimonia da Purificação conforme ordenava a Lei. Aqueles que assim o faziam, levavam ovelhas como oferendas para o sacrifício. Os pobres ofe­reciam pombas, cujo simbolismo era compreendido pelos mais esclarecidos. Os Iluminados de todas as idades ofereciam somente flores, frutas e grãos, porque sabiam que esses elementos eram as manifestações externas do Grande Espírito da Terra.

"E eis que havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem era justo e temente a Deus, e esperava consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele."
"E fora-lhe divinamente revelado pelo Espirito Santo que êle não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor."
"E pelo Espírito foi ao Templo, e quando os pais introduziram o menino Jesus, para com êle precederem segundo o uso da Lei. ele então O tomou em seus braços, e louvou a Deus e disse:
"Agora, Senhor, despedes em paz o Teu servo, segundo a Tua palavra.Pois já os meus olhos viram a Tua salvação.(Lucas 2:25-30).

O nome Jesus foi dado à Santa Criança no Ritual da Circuncisão. Jesus em hebreu é sinônimo de Joshua, que significa "salvação'. Esse era o título usado pelos anciãos para designar o Sol, bem como entre os gregos o nome místico Jas serve para designar o Deus Sol, Dionisius. Jod é a mais importante letra do alfabeto hebreu, cujo símbolo constitui uma parte de cada uma das vinte e duas letras desse alfabeto. Representa o poder do Ego, o EU que eventualmente tornou-se o EU SOU.

"E Simeão os abençoou, o disse a Maria, sua mãe: Eis que este é posto para queda e elevação de muitos em Israel, e para sinal que será contradito;" "B uma espada transpassará também a tua própria alma; para que se manifestem os pensamentos de muitos corações." (Lucas 2:34-35).

Simeão, por meio da revelação espiritual viu a verdadeira finalidade da missão de Jesus, o instrumento para o Cristo, bem como o triunfo glorioso do verdadeiro Cristianismo. A manifestação profética de Simeão, aludindo-se a Maria, traduz um significado profundo e místico: "Uma espada transpassará também a tua própria alma; para que se manifestem os pensamentos de muitos corações."

Maria simboliza o elemento feminino no corpo do próprio homem. A sua redenção realiza-se por meio da dor, o único meio pelo qual a humanidade alcançará a salvação permanente. Como Cristo Jesus, Maria representa a consumação perfeita do trabalho interno que deverá realizar-se nos indivíduos de cada uma das raças. Esse progresso por meio do qual a espada da Verdade transpassará a alma, é delineado nas Sete Tribulações de Maria. Esta compreendeu que todos os grandiosos eventos, tanto de sua vida, como da vida de Jesus, marcariam graus definidos para a futura cristianização de todos os homens, daí a importância vital desses Rituais simbólicos.

* parte 9 (fev,1966) da série The Gospels de Corinne Heline, publicado na "Rays from the Rose Cross" no período de maio de 1965 a setembro de 1974.Tradução publicada na revista Serviço Rosacruz, março de 1967.  Mais artigos dessa série aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário