31 de mai de 2013

O Templo de Salomão












por Gilberto Silos
Reis l, cap. 6 e Reis II, cap. 7: "No ano 480 depois de saírem os filhos de Israel do Egito, Salomão no ano quarto do seu reinado, no mês de Zive, começou a edificar a casa do Senhor. A casa que o rei Salomão edificou ao Senhor era de 60 côvados de comprimento, 20 de largura e 30 de altura. Edificava-se a casa com pedras já preparadas nas pedreiras, de maneira que nem martelo, nem machado, nem instrumento algum de ferro se ouviu na casa quando a edificavam. Depois levantou as colunas no pórtico do templo, tendo levantado a coluna direita, chamou-lhe Jaquim e tendo levantado a coluna da esquerda, chamou-lhe Boaz."

A passagem bíblica da construção do Templo de Salomão, em Jerusalém, reveste-se de riquíssima simbologia e alegoria. Existe uma relação cósmica entre as medidas da edificação: 60 x 20 x 30 = 36.000 (3 + 6 + 0^0 + 0 = 9). Nove é o número do homem conforme Max Heindel afirma no Conceito Rosacruz do Cosmos. O templo de Salomão diz respeito ao homem e ao seu desenvolvimento espiritual.

A tradição esotérica estabelece uma relação entre as duas colunas do templo, Jaquim e Boaz, e as duas colunas que precediam os israelitas quando atravessaram o deserto. De noite uma coluna de fogo iluminava sua marcha. De dia uma nuvem os protegia do Sol escaldante.

O templo não poderia ser construído durante a peregrinação no deserto. No deserto só havia areia e a construção não teria estabilidade. Além disso, tratava-se de um povo nômade, sempre marchando em busca da Terra Prometida. Lá chegando, depois de muito tempo foi possível erigir o templo, através da sabedoria de Salomão.

Em Crônicas II, cap. 3, diz-se que" Começou Salomão a edificar a casa do Senhor em Jerusalém, no monte Moriá." Segundo a tradição judaica, o monte Moriá era uma rocha enorme. A rocha simboliza a verdade. As areias do deserto simbolizam as ilusões, as fantasias. O Templo de Salomão foi construído silenciosamente sobre a firmeza de uma rocha.

O Templo de Salomão simboliza a consciência espiritual do homem, formada ao longo de muitos renascimentos, experiências e sofrimentos. Esse trabalho é silencioso (sem ruídos de martelo), anônimo e consequentemente ignorado pela maior parte da humanidade. Não obstante, é a atividade mais importante e fundamental da vida. Hora após hora, momento após momento, errando, acertando e sofrendo, o homem vai erigindo sua consciência espiritual.