2 de nov de 2017

Sobre os (dois) Dias Mais Importantes De Nossas Vidas

por Jonas Taucci
Vemos acima, a pintura “Cristo e o centurião”. Do pintor italiano Paolo Veronesi (Verona, 1.528-1.588), que se encontra no Museu Nelson Atkins da Arte, cidade de Kansas, estado do Missouri (EUA), feita por volta do ano de 1.575.
Esta pintura refere-se ao evangelho de Mateus (08:05 a 13):

E, entrando Jesus em Cafarnaum, chegou junto dele um centurião, e lhe rogando disse: Senhor, o meu criando jaz em casa paralítico e violentamente atormentado, E Jesus lhe disse: Eu irei, e lhe darei saúde. E o centurião, respondendo, disse: Senhor, não sou digno de que entres debaixo de meu telhado, mas dize somente uma palavra, e meu criado será curado. Pois também eu sou homem sob autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; e digo a este: Vai e ele vai; e digo a outro; Vem, e ele vem: e ao meu criado: Faze isto, e ele o faz., E se maravilhou Jesus, ouvindo isto, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo, que nem mesmo em toda Israel encontrei tanta fé. Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abrão, Isaque e Jacó no reino dos céus, e os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores: ali haverá pranto e ranger de dentes. E então disse Jesus ao Centurião: Vai, e como creste te seja feito. E naquela mesma hora o seu criado ficou curado. 

Antes das considerações à luz dos Ensinamentos Rosacruzes, seria oportuno tomarmos conhecimento de certos aspectos históricos importantíssimos desta passagem bíblica;

***Centurião (oficial militar do exército romano, responsável por comandar uma centúria: parte importante de uma legião).

***Roma, a senhora do mundo no 1º século D.C.(à época de Cristo os exércitos romanos ocupavam parte da Europa, África e Oriente, estendendo-se às terras por onde Cristo viveu e pregou).

***Religiões praticadas pelo Império Romano (consideradas pagãs pelos primeiros cristãos).

***Os invasores (assim eram chamados os romanos, havendo várias revoltas para sua expulsão nas regiões ocupadas).

Estas palavras de Cristo: Nem mesmo em toda Israel encontrei tanta fé”, intriga a dois milênios os teólogos cristãos, pois a fé encontrada por Cristo - fica evidente - veio de um centurião romano, consequentemente:

*** Um invasor.

*** Uma pessoa pagã.

***A fé do centurião que (segundo Cristo!), supera mesmo a dos discípulos, seguidores e frequentadores do Templo.

***De alguém, originalmente “fora” do círculo religioso de onde Cristo pregava.
*** Resumindo: um “estrangeiro pagão” em “terras santas(Israel).

Mas, Cristo não deu a mínima importância a tudo isto

Identificou o mais importante: a preocupação do centurião com seu semelhante, e sua enorme fé.

Não há nada – em todo o universo – superior a isso!

Fazer parte de uma religião, doutrina, seita ou filosofia, “estar neste meio, sem a devida utilização e prática do que (apenas...) aprendemos à serviço dos desassistidos, incorre numa enorme ilusão e para nós – aspirantes rosacruzes - no total menosprezo ao nosso Cristo Interno.

Nossa (tão somente) filiação à Fraternidade Rosacruz e nos tornarmos (tão somente) probacionistas não será garantia de um desenvolvimento interno.

São muitos os que estudam somente para seu próprio benefício e não cultivam a fraternidade para com os demais. Sem dúvida, é o serviço que executamos e a sinceridade com que praticamos os ensinamentos que nos tornam, para o mundo, exemplos vivos desse amor fraternal, a qual Cristo se referiu como sendo a realização de todos os mandamentos). Max Heindel, Carta aos Estudantes # 03.

A palavra probacionista (1) deriva do latim probo (muito utilizada em literatura jurídica) que significa honesto. O verbo probare refere-se a agir com honestidade, retidão.

Na Fraternidade Rosacruz, a palavra probacionista também está associada com as provas” pelas quais o aspirante encontra em sua jornada na senda do caminho Crístico, contudo estas provas não serão de forma alguma:

*** Escrita, de múltipla escolha.

*** Chamada oral; avaliação de conhecimentos.

*** Redação sobre algum tema sobre os Ensinamentos Rosacruzes.

*** Cálculos perfeitos de configurações astrológicas.

Serão provas comportamentais (nosso probare de cada dia), e das mais sutis que possamos imaginar, onde nossos atos (ou omissões) com nossos irmãos, irá determinar o grau de amadurecimento interno.

O florescimento de nossas sete rosas internas, muito estudado pelo aspirante rosacruz, constitui-se numa obra alquímica paradoxal:

- Impossível alguém fazer isto por nós; trata-se de um trabalho individual.
- Impossível realiza-la sem nos relacionarmos com nossos semelhantes.

Mark Twain (1.835-1.910) escritor americano, nos deixou esta bela frase:

(01) Sobre o Probacionismo: O Caminho Rosacruz compreende sete etapas de desenvolvimento: Estudante Preliminar, Estudante Regular, Probacionista, Discípulo, Irmão Leigo, Adepto e Irmão Maior. A superação de cada um desses estágios corresponde a uma verdadeira Transfiguração.

Durante as primeiras etapas, de Estudante a Probacionista, o Aspirante cursa as matérias básicas e edifica os fundamentos da sabedoria e da disciplina de seus Corpos. Assimilando o valor educativo dos ensinamentos Rosacruzes, adquire a capacidade de direcionar suas energias e talentos a propósitos cada vez mais elevados. Consciente de seus deveres morais e espirituais, procura dominar as forças obscuras de sua vida inferior, até conhecer os primeiros vislumbres da expansão do Eu.

Muitos anos e, às vezes, vidas de trabalho, de sacrifícios e esmorecimentos, de coragem e desânimo, de quedas e levantamentos, de regozijo e desespero, marcam essa fase preparatória. Há momentos de ofuscante luz que sucedem densas trevas, em ciclos de aprendizagem.

Mas, todos os esforços e o progresso obtido são observados desde os Mundos invisíveis pelos exaltados Guias. Um dia, os vislumbres convertem-se em viva realidade, os obscuros contornos da visão de probacionista, adquirem a nitidez do discípulo. Surge um ser humano novo em novidade de espírito.

As obras da carne, os zelos excessivos, o amor próprio, a vaidade, o espírito sectarista, ontem propriedades características do ser humano primário, desvanecem-se aos poucos.
Não imaginemos, contudo, que atingido o grau de discípulo, o novo ser humano entra num período de contemplação estática e absorvente. Pelo contrário, os poderes da ação e do trabalho estão presentes e mais atuantes do que nunca. Seu pensamento permanece ocupado às vinte e quatro horas do dia, com "tudo o que é verdadeiro, honesto, justo, santo, amável e de boa fama" (Filipenses 4-8).

É um novo ser desabrochando. Seus familiares e amigos sentem a força propulsora de sua vontade na dedicação às causas justas e nobres. Beneficiam-se desses esforços admiráveis, dispendidos a custa de, não raro, verdadeiros holocaustos e da extrema renúncia aos frutos do êxito.

Que poderemos, agora, imaginar das três etapas superiores: Irmão Leigo, Adepto e Irmão Maior? Iluminados nas transcendentes alturas do Bem, do Belo e do Verdadeiro, são inconcebíveis as vivências e sublimidades de seus Espíritos. Max Heindel nos deixa antever algo da fecundidade de suas vidas: "Os Irmãos Leigos vivem em diferentes partes do mundo ocidental, recebendo uma ou mais Iniciações nas Escolas de Mistérios Menores". São capazes de abandonar o Corpo Físico conscientemente, para assistir ou participar dos trabalhos no Templo da Ordem Rosacruz. Os Adeptos são graduados de uma Escola de Mistérios Menores, e passaram pela primeira das quatro grandes Iniciações. Segundo os ensinamentos Rosacruzes, o Adepto pode construir novos Corpos físicos por processos ocultos de alquimia espiritual.

Os Irmãos Maiores são graduados das Escolas de Mistérios Menores, e também dos Mistérios Maiores.

É um íngreme caminho a ser percorrido, porém, não há outro mais dignificante. O sofrimento pode vir a ser um companheiro constante nessa gloriosa ascese, surgindo, não obstante, como o prenúncio da morte do velho ser humano.

Max Heindel afirma em sua obra INICIAÇÃO ANTIGA E MODERNA: "O ser humano passa, continuamente, por um processo de purificação, erradicador das substâncias mais inferiores e grosseiras que fazem parte de seus veículos. Com o tempo e mediante a evolução, esse trabalho de espiritualização tornará "nossa carne" transparente e radiante. Radiante como o rosto de Moisés, o corpo de Buda e o Cristo na Transfiguração". (Editorial da revista “Serviço Rosacruz” de outubro – 1.982 da Fraternidade Rosacruz de São Paulo).